jump to navigation

Dica Freeware #1: Tyrian agosto 30, 2009

Posted by Carlos in Dica Freeware.
Tags: , ,
2 comments

Para inagurar uma sessão fundamental em um blog sobre games, escolho Tyrian, um precursor dos jogos shoot’em up bons.

Lançado em 1995, o jogo ganhou merecida continuação em 1999, virou freeware em 2004 e, a partir de 2007, é parcialmente open source. Sim, o jogo é velho. Sim, o meu computador bom está no conserto. Sim, ainda vale a pena jogar esses densos 5,51 MB.

Tyrian =O

Tyrian =O

Tyrian obteve grande sucesso quando foi lançado. Como qualquer shoot’em up, você controla uma nave e precisa atirar no que vier na frente. Nas dificuldades mais altas, pensar muito está fora de cogitação. Mas tão importante quanto usar o mouse na hora certa é o momento de preparação: entre as fases você pode usar créditos ganhos matando inimigos para melhorar sua nave. Não só dá para comprar canhões de laser e bombas de banana como dá para melhorá-los, ou seja: não vai sobrar grana. E além dos cinco episódios com múltiplos mundos, há também diversas fases secretas, para os completistas de plantão.

Os gráficos são fluidos e coloridos. A trilha sonora é um show à parte, com as batidas animadas de Alexander Brandon, que mais tarde ajudou em jogos como Unreal e Neverwinter Nights 2.

Aqui é o momento em que deveria escrever sobre a história, os personagens e as guinadas de enredo. Verdade seja dita: nunca tive saco para acompanhar nada disso em Tyrian. Tem algo com ano 20031 e fim do mundo. Claro que aí rola uma boa dose de preguiça da minha parte, mas a história é apresentada de forma precária: texto, texto e mais texto. Durante as fases, você às vezes pode coletar cubos azuis, que contêm fragmentos do enredo na forma de depoimentos de pilotos. Justiça seja feita, um jogo com dez anos merece um bônus por apresentar uma história em forma de quebra-cabeça: para compreendê-la por completo, você deve coletar todos os cubos. Mas bate uma forte sensação de “putz, pra que ficar clicando nessa barra de rolagem, lendo texto, se eu poderia estar atirando?”.

Para os desafortunados que não conheciam o game, deem uma olhada nesse vídeo. Duvido que não vão ficar com vontade!

Download de Tyrian 2000

Tyrian na wikipedia

Anúncios

Do a Barrel Roll! – Star Fox 2!?!?!? (SNES) agosto 29, 2009

Posted by Zé in Reviews.
Tags: , , , ,
3 comments

Eu me lembro de quando era pequeno e ganhei o Star Fox de Super Nintendo da minha vó, no meu aniversário. Nunca um jogo de naves me impressionou tanto, com fazes incríveis, chefes desafiadores e…  Slippy, o sapo que sempre se mete em apuros e você tem que salvar, com certeza o personagem mais chato da história dos games.

Já tinha ouvido rumores há muito tempo de que uma continuação de Star Fox seria lançada para o Super Nintendo, mas que foi cancelada. Acontece que o jogo estava finalizado em japonês, mas por causa do lançamento eminente do Nintendo 64, o jogo foi cancelado. Mas graças à internet, uma ROM do jogo vazou. Baixei esse jogo hoje, com um patch que corrige alguns bugs e traduz a ROM pro inglês, e a única coisa que me vem à cabeça é: “Nintendo, eu te odeio por não ter lançado esse jogo”.

A história do jogo é simples, mas funciona: O macaco do mal Andross retorna e lança uma ofensiva contra o sistema Lylat. Cabe ao time Star Fox acabar com o vilão novamente e blábláblá. A grande diferença deste jogo está em sua jogabilidade: ao invés de passar por diversas fases, há um mapa geral do sistema Lylat, com Cornelia, o planeta que você tem que proteger, em um canto, e a base de Andross no outro (para quem já jogou o Star Fox de DS, é extremamente similar).

Você escolhe dois pilotos de seis; além dos já conhecidos Fox, Falco, Slippy(Grrr) e Peppy, há uma puddle chamada Fay e uma tigresa chamada Miyu. Cada nave tem atributos diferentes, como vida, velocidade e tiro especial, mas convenhamos; você vai escolher Fox e Falco, eles são os personagens mais fodas.

Sapo maldito!

Sapo maldito!

A sua missão é libertar os planetas controlados por Andross e impedir que Cornelia seja destruída. Para isso, você precisa movimentar suas naves pelo mapa na direção dos inimigos e planetas capturados. Quando você se aproxima de algum desses elementos, seu personagem é transportado para uma tela de batalha, onde é necessário destruir uma quantidade X de inimigos ou ativar alavancas para entrar numa base e derrotar um chefe.

O aspecto mais interessante de Star Fox 2 é que tudo acontece em tempo real. Enquanto você estátentando libertar um planeta, unidades inimigas vão se dirigindo para Cornelia. Se você demorar muito, Os inimigos vão chegar em Cornelia e causar dano no planeta, fazendo com que você perca. Isso dá um aspecto de urgência ao jogo, pois você tem que derrotar seus inimigos o mais rápido possível. Outra coisa interessante é a presença do Wolf Team: comece a derrotar muitos inimigos e os membros do Star Wolf aparecem para duelos 1×1. Simplesmente incrível.

O único problema de Star Fox 2 é que ele se resume a apenas este mapa; quando você liberar tudo e derrotar as forças inimigas, é acabar com Andross e parabéns, você salvou a galáxia. Para contrapor isso, no entanto, existem três dificuldades diferentes: Nomal, Hard e Expert. No normal eu terminei o jogo em menos de uma hora, pois o número de inimigos é pequeno. Mas no Expert o jogo é muito mais longo: a cada inimigo que você derrota, outra coisa vem pra te atacar, há mais planetas para serem liberados, os inimigos são bem mais fortes e quando você menos espera, bang, Cornelia já era (sim, aconteceu comigo e eu não terminei o jogo nessa dificuldade ainda).

Mapa do jogo

Mapa do jogo

Star Fox 2 é um jogo muito divertido, que com certeza vai agradar os fãs da série  e também os aficcionados por jogos de nave. Enquanto uma versão de  Star Fox para Wii não sai (e talvez não saia), divirta-se com esse jogo que infelizmente não viu a luz do dia oficialmente.

Link para download de Star Fox 2

Link para Patch do jogo

Jogos que deveriam existir #1 agosto 26, 2009

Posted by Zé in Jogos que deveriam existir.
Tags: , , , , ,
4 comments

Decidimos criar essa sessão no blog para debatermos idéias malucas de jogos que gostaríamos que fossem lançados. Se você tiver alguma idéia de jogos que deveriam existir, mande para nós no emeio joguepense@gmail.com. Sem mais delongas, um jogo que deveria existir com certeza é este:

Samus Strip Poker

Ok, eu admito… não tenho a menor noção de como se joga poker, mas se esse jogo existisse, eu aprenderia as regras em cinco minutos. Todo mundo que já jogou Metroid sabe que Samus é com certeza a mulher mais forte e incrível do mundo dos games, mas aquela armadura esconde suas verdadeiras qualidades. Agora, imagine jogar uma partida de Strip Poker com Samus: a cada partida que você vence, ela tira uma parte da armadura. Hum, sexy!

Ah...Samus...

Ah, Samus...

Mas o jogo seria extremamente difícil, afinal estamos falando de Samus. Perca uma partida, e game over, ela explode sua cabeça com um míssil. Com certeza um jogo assim seria um ótimo fan service que a Nintendo faria aos jogadores de Metroid.

Chances desse jogo existir algum dia: Nulas. Se a Nintendo lançasse um jogo desses, perderia sua imagem de companhia que cria jogos para a família. Além disso, seria banalizar um personagem fantástico como Samus. Bem, não custa nada sonhar…

Não me mate por favor! Esse post é só uma brincadeira!

Não me mate por favor! Esse post é só uma brincadeira!

 

Um Post INCRÍVEL agosto 25, 2009

Posted by Carlos in Animação Flash, Humor.
Tags: ,
2 comments

A internet é um lugar curioso. Por mais que milhares de vídeos sejam mandados para o youtube a cada minuto, alguns poucos passam de 1000 views, pouquíssimos ganham destaque, e um ou outro (mas um ou outro MESMO) viram referência.

É uma questão de qualidade? Propaganda? Timing? Habilidades audiovisuais? Investimento financeiro? Inspiração divina? Duendes polidáctilos subterrâneos fazendo lavagem celebral em humanos por meio de memes? Talvez um pouco disso tudo, mais uns tantos outros fatores sérios.

A série de animações em Flash Awesome, do artista Egoraptor, ficou famosa não por ser boa, mas por ser tão boa a ponto de vários outros artistas copiarem seu estilo. Na cara-dura ou não.

Começando com Metal Gear Awesome, produzido em 2006, Egoraptor criou curtas que fizeram – e fazem – um sucesso estrondoso. Os flashs, em inglês, são sempre sobre games famosos, tais como Resident Evil, Prince of Persia e Zelda (sim, há Pokemon e Mario. E Sonic e Megaman). Os títulos sempre adaptam os originais dos jogos ao estilo Awesome de ser, gerando pérolas como Super Awesome Brothers e Awesome May Cry. Mais do que os jogos, contudo, o que conta é o estilo da arte: extremamente agressiva, rápida e com pitadas de escatologia e nonsense. As vozes alternam entre o grosso cabra-macho e o finininho estridente e irritante.

Os personagens são estranhos completamente malucos. Suas expressões, que emoticon nenhum dá conta de copiar, são exageradas ao extremos (vide fotos abaixo). E a história é sempre curta, reforçando aspectos ridículos nos jogos e provocando momentos hilariantes.

Sem mais, comentários sobre meus favoritos:

Metal Gear Awesome 1 (Metal Gear Solid)

O primeiro, o original, o clássico. Engraçado para quem não conhece a série, vai desenvolver os abdominais de quem conhece.

Awesome Crossing (Animal Crossing)

Rápido e eficiente, este curta mostra muito bem como os jogos de simulação 24h, que rolam mesmo quando você não está jogando, viciam. Sim, Facebook, estou falando de você!

Awesome Racer (Speed Racer)

Feito por um fã do Egoraptor, não está atrás dos originais  em termos de qualidade. Os closes nas “supercelhas” de Speed são épicas, e o momento awkward do final é impagável.

Jogo que quero jogar- Fragile: Farewell Ruins of the Moon (Wii) agosto 23, 2009

Posted by Zé in Jogos Wii.
Tags: , , , , , ,
7 comments

Estava eu caçando algum jogo de Wii na internet que me interessasse (o que pode ser bem difícil às vezes…), e entre diversos jogos casuais ou simplesmente chatos, encontrei esta pérola chamada Fragile: Farewell Ruins of the Moon. A história me cativou na hora: você joga como Seto, um garoto que vive em um mundo pós-apocalíptico, e que viaja sozinho em busca de outros seres humanos. Durante suas viagens, ele encontra uma garota, que se assusta ao vê-lo e foge. Seto então vai atrás dela, pois está cansado de viver sozinho.

Pelo que li e vi deste jogo até agora, a jogabilidade parece ser uma mistura entre Zelda e um jogo de survivor horror: Seto explora ambientes desolados e escuros, armado com uma lanterna e com o que ele encontrar pelo caminho, enfrentando fantasmas e monstros, enquanto tenta achar a garota e descobrir o que aconteceu com o mundo. O combate, contudo, parece ser relativamente simples e secundário; o foco principal do jogo é de fato a sua história, entender o que aconteceu com mundo e a carga emocional dos personagens.

Em um artigo publicado no site RPGamer, Michael Engler,  especialista em localização da XSEED (empresa que está traduzindo o jogo), afirmou que este é provavelmente um dos jogos mais depressivos em que ele já trabalhou, ao ponto dele ter que sair do seu local de trabalho após sessões de tradução, pois o jogo é muito triste.

É ótimo ver que jogos como Fragile estão chegando ao ocidente: a Namco Bandai, que publicou o jogo no Japão não tinha nenhum interesse em publicá-lo no ocidente. Graças aos pedidos de muitos gamers, a XSEED conseguiu os direitos de publicação e está traduzindo o jogo. Isso é mais uma  prova de que os gamers ocidentais também gostam de uma boa história. Se você está cansado de jogos casuais ou com histórias genéricas e personagens sem qualquer profundidade, fique de olho em Fragile: Farewell Ruins of the Moon, que será lançado em dezembro deste ano nos Estados Unidos. Eu com certeza vou comprá-lo na hora em que ele sair!

Trailer de Fragile: Farewell Ruins of the Moon

Cor-de-cinza agosto 20, 2009

Posted by Carlos in Jogos Flash.
Tags: , , ,
1 comment so far

Conhece a expressão “preto-no-branco”? Ela significa uma visão muito simplista e reducionista das coisas. Dizer que todo jogo virtual é só entretenimento, por exemplo, é uma afirmação preto-no-branco. Para quebrar essa ideia, jogos como Gray existem.

A apresentação de Gray é direta. Em um cenário único, você controla um humano pintado de preto no meio de um motim, sons de sirenes ao fundo. Você está lá, no canto direito, sozinho. Do lado esquerdo, uma serie de personagens brancos surgem, alguns segurando placas. Você está sozinho, mas nem tanto. Você pode correr e, trombando com os outros, repara que pode dialogar com eles.

A jogabilidade, assim como os gráficos, é minimalista: você corre de um lado para o outro e interage com as pessoas brancas. A interação é o que há de mais “complexo” em termos de jogabilidade. Uma caixa aparece sobre o seu personagem e o alvo. Ele emite frequências aleatoriamente, que vão em sua direção, e você precisa responder com a barra de espaço com o timing certo, para as duas ondas encontrarem-se no meio da caixa.

Quando você vence nesse mini-game, consegue converter a outra pessoa à sua cor. Após algumas conversas e muitas ombradas no cenário claustrofóbico, o inevitável ocorre: todos estão pretos! A sensação de vitória vazia não dura muito, pois logo após, você sofre uma transformação, tornando-se branco.

O que segue após você tornar-se branco é a continuação do mesmo esquema. Está tudo igual, embora um pouco mais difícil. Você deve converter agora as pessoas a tornarem-se de sua nova cor. A chave de Gray é que esse processo não é eterno: Gray não é um jogo preto-no-branco.

Tanta economia na interface serve para revelar o maior trunfo de Gray: o que há mais importante no jogo é o depois. Após o “The End”, há a sua reflexão e sua interpretação. O que são as cores? São opiniões, são opções políticas? O que o final representa?

E nada melhor para causar este efeito do que um jogo simples e direto.

Jogue Gray