jump to navigation

“Eu já vi isso em algum lugar” setembro 6, 2009

Posted by Carlos in Humor, Jogos PC.
Tags: , ,
1 comment so far
yaaay primeira quest!

yaaay primeira quest!

RPG nos games é meu gênero preferido, de longe. Não tem sensação melhor do que fazer parte da histórias épicas de um Final Fantasy, coletar estrelas e salvar a princesa em batalhas dinâmicas no Mario, e ao mesmo tempo ouvir uma trilha sonora mágica como a de Chrono Cross.

Ah, sim, fora dos consoles, dá para aproveitar a ação sombria em Diablo ou a complexidade de Neverwinter Nights. E ainda tem o dilema: perder-se no mundo de Fallout 3 ou World of Warcraft? Num você precisa parar para respirar, apreciando cada pixel trabalhado naquele mundo destruído e maravilhoso, com a certeza que vai se surpreender com cada canto do lugar. No outro você precisa parar pra respirar… mas não tem tempo, porque sua party está cobrando aquelas magias com as hotkeys ALT+CTRL+F4 e SHIFT+B+Botão esquerdo do Mouse enquanto você tenta jantar só com a mão esquerda.

Ah, os RPGs! Poderia falar apaixonadamente horas e horas sobre eles, mas, em uma só palavra, chega! (por hoje)

O Goku careca no centro e a miniBulma à direita salvam o mundo em DQ II

O Goku careca no centro e a miniBulma à direita salvam o mundo em DQ II

Acontece que, depois que você joga um certo número de RPGs, percebe que eles têm uma regra básica: as quests, o motor que faz andar o carango que são esses jogos. Elas podem tanto te conduzir suavemente por ladeiras íngremes de enredo bem escrito como superaquecer nos primeiros minutos planos de jogo, sendo repetitivas e maçantes.

Um jogo corajoso denuncia esse problema. Ele é tão genial e cult que não tem gráficos, mostrando metaforicamente como tanto joguinhos do Mega Drive como jogões do Xbox 360 podem sofrer desse mal. Ok, isso também mostra preguiça por parte do desenvolvedor, não dá para defender ele 100%. De qualquer modo, Progress Quest, mostra como que, na maioria das vezes em que subimos de nível, estamos jogando o mesmo jogo.

Tudo nele é certeiro: Você cria um personagem com base em 21 raças e 19 classes, rola os dados para criar os status (eu consegui 78 na soma! uhul!) e clica o botão “Sold”. A partir daí, a mágica do mundo criado de Progress Quest se inicia, as portas de um universo paralelo se abrem e você pode fazer a diferença! E como? Como você pode mudar a história? Não fazendo nada! Sim, é isso mesmo. Se você está com uma expressão confusa e curiosa no rosto, jogue!

Os gráficos são mais ou menos assim. Ou não.

Os gráficos são mais ou menos assim. Ou não.

Só pena que ele esteja em inglês, quem não fala a língua acaba perdendo a maior parte das piadas.

Jogue Progress Quest

(recomendo o FAQ do site tbm, até ele é hilário)

Anúncios