jump to navigation

Videogames são arte? Isso importa? junho 1, 2010

Posted by Carlos in Cultura Gamer, Games e arte, Reflexão.
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
8 comments

Sou gamer e gosto de pensar sobre os games. Não só na resolução dos seus gráficos, no impacto da trilha sonora ou na jogabilidade precisa ou falha. Acho que jogar é mais do que apertar botões no tempo certo. Procuro tentar entender como cada elemento se junta para criar significados que pixels coloridos, notas musicais e botões gastos, sozinhos, não possuem.
Hmmm.

Games têm um sentido que vai além do óbvio. Games não são apenas um produto mercadológico. Games são mais que entretenimento…
Agora chega a frase mágica: Games são arte! Está aberto o debate, gritos fervorosos ecoam na comunidade gamer – uma discussão emocionante a princípio, mas de uma repetição nauseante mais para o fim inalcançável.

O gatilho da discussão data lá de 2005, quando Roger Ebert, famoso crítico de cinema e roteirista , martelou categoricamente que games não são arte. E que nem podem ser. Nas palavras dele, “videogames, por sua natureza, exigem escolhas do jogador, o que é a estratégia oposta dos filmes e literatura séria, que demandam controle autoral.”
Polemizador nato, Ebert cutucou uma ferida que trouxe à tona uma repercusão impressionante. Depois disso, mais e mais e muito mais debate.

SAIA DAÍ E VÁ JOGAR! (Montagem)

Mas o que quer dizer game é arte?
Aí que tá: depende. Arte é um tema tão complexo e abrangente que essa frase, por si só, não quer dizer nada. O perigo é que ela guarda um paradoxo não tão óbvio: games são um fenômeno cultural e industrial criado no fim do século XX, extensão tecnológica do jogo – conceito esse presente desde o Big Bang. Já a arte, para o senso comum, quer dizer Da Vinci, Mozart, Shakespeare e museus. Esse conceito já foi descontruído por Duchamp há quase um século, quando ele, de pinico na mão, indagou: só porque está no espaço do museu é arte?
Para colocar game e arte na mesma frase, portanto, é importante pelo menos situá-los no mesmo século.

Impossível fazer uma legenda original dessa foto batida

Para polemizar, o Video Games Live é arte?
Sim e não.
É música maravilhosa e uma super produção, mas não é arte de games. É um show de música, é música. Música, música, música.
A arte de games está no game, no ato de jogar, não no palco ou na mp3: situa-se na relação entre seus elementos e nos significados criados aí. Não são os gráficos, a música ou a jogabilidade, é a soma desses fatores.
Mas espera! e o Nobuo Uematsu, o roteiro de Mass Effect, a atmosfera de ICO e Shadow of Colossus, a imersão de Myst, a base filosófica de Bioshock, a jogabilidade de Braid e e…. ?
Esses casos (e muitos outros) envolvem criações de tão boa qualidade que superam a plataforma  de onde vieram, no caso o videogame. Rendem discussões, brigas, fins de namoro, isolamento social, mods, remixes funk e subprodutos: CDs, livros, shows, artbooks. E, claro, não esqueçamos o fator mercado: essa “arte” dá uma boa grana.

A ótima trilha de Ace Combat 5 dá um bom exemplo. É uma delícia ouvi-la de manhã, antes de uma prova importante ou um primeiro encontro. Motiva mais do que o tema do Rocky! Só que isso tudo é extensão da vida útil dela: ela serve para animar você, jogador, e deixar a experiência de pilotar seu avião mais intensa.

Então comofas?

Ice-Pick Lodge é uma desenvolvedora russa, autora de Pathologic (2005) e The Void (2009). O primeiro ganhou todos os prêmios russos possíveis e mais alguns, sendo aclamado por sua profundidade temática, mas chamado de “Oblivion com câncer” por ser pesadíssimo. É interessante, só que é MUITO difícil de jogar, não tentem, avisei! Pathologic chegou em mares nunca dantes navegados, só que num barco bem fuleira. Aqueles corajosos e desocupados que o desbravaram reconheceram seus potenciais.

Os desenvolvedore da Ice-Pick, em entrevista, disseram o que considero essencial: “A raiz de tudo é a liberdade de escolha do jogador”. Extremamente lúcidos, os russos consideram que o game como meio tem diversas “ferramentas” próprias. Eu colocaria algumas: a necessidade de o jogador ser ativo, a possibilidade do multiplayer, diferentes interfaces de controle, o confrontamento com a inexistência do definitivo (vide patches e DLC).

Chega!
Um tempo atrás eu era defensor ferrenho da ideia de que games poderiam ser a nona arte, talvez até a arte definitiva. Afinal, eles inauguraram uma sinergia entre imagem, som e interação forte e, principalmente, sem precedentes. Isso potencializa trabalhar narrativas de maneiras até então inimagináveis.

Mas falar de games e arte cansa. Talvez seja interessante pensar na relação cinema-games e como a narrativa cinematográfica contamina os games; os advergames e seu impacto no mercado; como os games  afetam a economia; como a economia afeta os games; será que os games têm uma mitologia própria? Esses tópicos são tão mais legais, estimulantes e produtivos do que game ser arte ou não!

Por que os games precisam ser arte? Talvez para justificar as bolhas no dedão, para reforçar a ideia de que game são sérios, para agregar valor ao$ produto$ ou para contradizer o Ebert.

Videogames são arte? A pergunta certa é: isso importa?

Anúncios

Gameworld: Charles Martinet se apresentando no concurso cosplay abril 1, 2010

Posted by Carlos in Cultura Gamer, Humor.
Tags: , , , , , , , ,
add a comment

Charles Martinet, dublador da voz única do Mario e outros personagens, foi mestre de cerimônias do concurso cosplay do Gameworld 2010. Aqui ele se apresenta e é traduzido pela Natalie Hidemi, editora da Nintendo World Online, que sofre para traduzir uma “frase” em especial.

31/03/2010

Gameworld: Entrevista com Yuki (Thaís Jassum, cosplay Samus) março 31, 2010

Posted by Carlos in Cultura Gamer, JoguEntrevista.
Tags: , , , , , , , , , , , , ,
add a comment

Carlos do JP entrevista Thaís Jussim, mais conhecida como Yuki Lefay.
Yuki ganhou o primeiro lugar no concurso de Cosplays da Gameworld 2010, em São Paulo. A armadura, da Samus do Metroid Prime 3, tem 13kg é animal.

Nesta entrevista, Yuki fala sobre como foi o processso de montar a armardura, o cu$to, futuros projetos (Bayonetta!) e manda um recado para quem quer tentar um cosplay.

E me desculpem pelo comentário faustão no final xP

Dois bônus:
1Quando a Yuki sai da sala dá para ver como a armadura é grande: ela precisa entrar e sair dos lugares de lado!

2Yuki e o figurão Charles Martinet, dublador do Mario.

31/03/2010

JP traduz: História, RPGs, e a luta pelo apelo Mainstream março 19, 2010

Posted by Carlos in JoguEtraduza, Reflexão.
Tags: , , , , , , ,
add a comment

Por Brian Shirk*

Os programadores primeiro desenvolveram video games como um passa-tempo complexo voltado para geeks, mas o lançamento do infame duelo de joysticks conhecido como Pong alterou o futuro dos games. Com um simples clone do Magnavox Odyssey Tennis,  a Atari deslocou o apelo dos video games de hackers para donos de bares e donas de casa pelo mundo afora. Desde os anos 70, a industria tem presenciado  games cujo apelo é voltado exclusivamente a gamers hardcore e casuais, e por vezes, a ambos segmentos de mercado.

Centenas de games pertencem a cada tipo de gamer, mas um gênero em especial raramente deixa seus confins hardcore. O RPG normalmente tem apelo para gamers hardcore devido a tolerância deles a estatísticas complexas e mundos imersivos. Mas eu tenho outro motivo para RPGs raramente alcançarem o mainstream – eles muitas vezes se apropriam de temas acadêmicos tais como História que as pessoas normalmente acham entediante.

As pessoas geralmente escolhem ver o mundo em termos de branco e preto ai invés de examinar como alcançamos nosso estado atual porque a vida é mais fácil desse modo. Nossa mídia e governo nacionais escolhem retratar terroristas do Oriente Médio como desumanos e irracionais porque o público não precisa nada além disso para definí-los como inimigos

Eles também descrevem os soldados americanos em termos simples –são heróis trabalhando para propagar a democracia pelo mundo. Independente de sua opinião sobre esse ponto de vista, está claro que a mídia não está veiculando certas informações importantes – provavelmente porque a maioria das pessoas não se importaria mesmo se elas estivessem disponíveis.

A maioria das pessoas está feliz vendo o mundo em termos simples em que a sociedade define um lado como o inimigo e o outro como o bonzinho. É uma pena; poucas pessoas percebem que os “terroristas” do Oriente Médio têm motivacões que são tão concretas quanto as do Ocidente.

Talvez os norteamericanos entenderiam melhor a causa dos terroristas do Oriente Médio se soubessem como o governo dos EUA e os de países da Europa Ocidental implantaram e defenderam ditadores em nações como o Irã e o Pakistão. Ou como logo em seguida, pilharam seus recursos e deixaram seus povos sem possessões. Os norteamericanots também entenderiam melhor as motivações “terroristas” se eles reconhecessem a imposição da cultura ocidental em territórios que valorizam suas próprias tradições e religião.

Assim como a maior parte de nosso mundo não liga para entender o presente examinando como chegamos ao agora, a maioria não se interessa pelo enredo nos RPGs. Quando a maior parte das pessoas joga videogames, elas estão procurando uma experiência cheia de ação para tester seus reflexos; eles não querem um jogo que usa mecânicas muito estratégicas e baseadas em estatísticas para aprofundar a estória.

Mesmo se eles valorizam o enredo de um jogo tanto quanto a jogabilidade, eles provavelmente deixarão passar o que o deixa especial. A maioria dos jogadores reconhecerão o tema geral do jogo – seja salvar o mundo ou uma parte dele – mas eles não notarão alusões a eventos históricos importantes

Quase todo mundo que jogou Final Fantasy 7 presenciou a morte de Aerith, mas poucos perceberam o posicionamento do jogo em relação à ganância empresarial, classismo e a destruição do meio ambiente. Do mesmo modo, a maioria dos jogadores de Xenogears entendeu o objetivo de Solaris de manipular os Lambs [ovelhas] pelo uso de sua instituição religiosa, a Ethos, mas eles não viram como isso era parecido com o uso do Cristianismo por parte da Europa Ocidental e EUA para subjugar outros povos.

A maioria dos gamers também não percebe numerosas referências a lugares e rituais históricos nos RPGs. Poucos players veem o Kingdom of Karnak [Império de Karnak] do Final Fantasy V como um templo Egípcio da antiguidade, e menos ainda sabem que os rituais funerários do Budismo Mahayanna inspiraram a cena de velório de Lost Odissey.

Detalhes como esse talvez pareçam bobos para o player médio que está apenas preocupado com desafios de coordenação motora, mas para pessoas que apreciam o passado do mundo, essas conexões são um portal para um mundo que não existe mais. Para alguns de nós, esses mundos mágicos são o mais próximo que chegaremos de experienciar costumes e ideias diferentes dos nossos.

Enredo e referências históricas nos RPGs talvez nunca chamem a atenção das massas, mas isso significa que desenvolvedores devam usar Doom [magia de maldição] nas companhias de RPG? Com certeza não. Eles talvez precisem injetar mais ação e evoluir elementos antigos de jogabilidade (batalhas aleatórias), mas eles certamente não deveriam substituir referências históricas e alusões a eventos atuais com truques de James Bond – a não ser que os gamers desejem uma experiência divertida, mas sem sentido.

_______

Comentários pessoais: Acho a visão do autor um tanto reducionista, mas a discussão levantada é muito boa. Como todo bom norteamericano, a discussão de terrorismo, militares e Bush não ficam de fora.

A história dos games pode ser uma porcaria ou pode ser excelente. Mas, para além disso, ela pode ter relações extremamente ricas com o mundo real. Épocas diferentes produzem jogos diferentes, nada é gratuito.

E você, leitor? O que acha? Presta atenção na história dos jogos? Faz relações entre ela e o mundo real?

*Original: History, RPGs, and the Struggle for Mainstream Appeal, por Brian Shirk. Traduzido com permissão do autor.

As opiniões do texto são responsabilidade do autor e blablabla!

FicaDica – Carlos e Zé no site da Nintendo World! março 9, 2010

Posted by Zé in Cultura Gamer.
Tags: , , ,
add a comment

Olá a todos,

venho neste pequeno post fazer um convite (e um jabá) para que todos acompanhem nosso trabalho no site da Nintendo World. Carlos e eu recentemente nos tornamos colaboradores do site, então vamos abastecê-lo com todo tipo de notícias sobre o mundo Nintendo. Tudo o que escrevermos lá vamos divulgar no Twitter do blog, então nos siga!

Nossos perfis no site:

Carlos – http://nintendoworld.uol.com.br/content.php?id=2349

Zé – http://nintendoworld.uol.com.br/content.php?id=2351

PS: O blog vai continuar sendo atualizado, obviamente!

PS2: No site somos um pouco mais formais, então não assinamos como Carlos e Zé: eu assino como José Coutinho Júnior e o Carlos como Carlos Oliveira.

Games podem substituir a vida real? março 7, 2010

Posted by Zé in Reflexão.
Tags: , , , , ,
1 comment so far

Um casal coreano deixou sua filha de três meses morrer de fome, enquanto cuidavam de um avatar em um game online. O casal Kim, ele com 41 anos, e ela com 25, que estavam desempregados e moravam na casa da mãe da mulher, passavam horas jogando online em lan houses. Um dia, ao voltarem para casa depois de jogar por mais de doze horas, encontraram a filha morta, e a autópsia revelou que ela morreu de fome. Os pais também confessaram que davam leite estragado para a menina, e que a espancavam para que ela fizesse silêncio. O game em questão é um MMORPG popular na Coréia chamado Prius.

Fonte: tgdaily.com

Por mais surreal que seja, essa história é verdade. É assustador que pais deixem uma criança morrer para tomar conta de um personagem num MMORPG, o que levanta uma questão: a fantasia nos games pode substituir a vida real de uma pessoa? A notícia em questão retrata o casal como dois irresponsáveis e põe a culpa inteiramente na falta de vontade deles em melhorar de vida. Não quero aqui, de forma alguma, fazer a defesa do casal: eles erraram sim e a culpa pela morte da filha é deles. O que quero é tentar entender o que levou o casal a chegar neste ponto.

Como dito na notícia, ambos estavam desempregados e moravam na casa da mãe da esposa; a vida deste casal não devia ser nem um pouco fácil. O mundo fantástico do jogo, no qual eles podiam ser quem quisessem, e quanto mais jogassem, melhor seria a reputação deles perante os outros jogadores; no qual estavam livres das obrigações e responsabilidades mundanas, como contas a pagar ou filhos para cuidar, é muito mais atraente que o mundo real. Além disso, no mundo virtual, eles poderiam ter dinheiro, fama e poder, ao passo que no mundo real, o que eles teriam? Possivelmente um emprego medíocre e uma vida cheia de complicações.

A idéia de ascensão social, que no mundo real é um sonho muito difícil de realizar para o casal (e para muitas outras pessoas), no game é uma realidade. basta que o jogador se esforce o bastante e vai obter tudo o que quiser. “Liberdade individual”; “se trabalhar bastante, vai conseguir o que quiser”. Valores como esses são propagados na nossa sociedade desde a Revolução Francesa, e enquanto são bonitos na teoria, nunca funcionaram na prática; se funcionassem, desigualdade social seria algo inexistente. Games como Prius e outros MMOs tornam, dentro de seu mundo, esse discurso real, e isso fascina as pessoas a ponto de cegá-las para sua realidade, como o casal Kim, que esqueceu sua própria filha.

Na minha opinião, portanto, é leviano dizer que o casal ignorou a filha por pura irresponsabilidade: o vício em um mundo fantástico como o de Prius, para essas pessoas, se deve à falta de oportunidades e à desilusão com o mundo real. Quando sua vida está ruim, qualquer forma de escape da realidade é tomada como salvação, e foi isso que ocorreu com o casal Kim, infelizmente.

O amor é cego! ou Como zerar Zelda de olhos fechados março 4, 2010

Posted by Carlos in Cultura Gamer, Reflexão.
Tags: , , , , , ,
3 comments
(Este texto está disponível também na Nintendo World Online)

Há muitos jogos que são 8 ou 80: amar ou odiar, venerar ou desprezar. The Legend of Zelda: Ocarina of Time é um daqueles raros jogos em que isso não acontece: mesmo os poucos que não gostam muito dele o respeitam, seja por ele ter sido tão importante, seja por ser um jogo tão bem feito e ponto final.

Mas, uma matéria da emissora CNN mostra dois gamers que levaram seu amor pelo Zelda às últimas consequências.

Roy Willians é um garoto americano apaixonado pelo primeiro Zelda do Nintendo 64. Willians é ativo na internet e conheceu bastante gente com gosto parecido, porém um deles tinha algo de diferente. Jordan Verner, de outro estado dos EUA, também adora Zelda, mas o garoto é cego. Roy e Jordan se aproximaram e, por Skype, surgiu um pedido: ajudar um cego a salvar o reino de Hyrule.

Jordan diz que o pedido não foi tão sério, mas Roy tomou a missão para si: logo, estava controlando Link com olhos tapados para sentir como Jordan jogava e, assim, bolar uma ajuda. E conseguiu!

Os envolvidos: Roy e outros três gamers harcore. A motivação: simplesmente ajudar um gamer, independente das suas deficiências. Após quase dois anos e um detonado com centenas de milhares de caracteres (essa matéria tem uns 1.800), Verner derrubou Ganon.

A estratégia é minuciosa, indicando cada salto e dando referências a partir dos sons do jogo (como uma escotilha abrindo), e Jordan a acompanhou com um programa que transforma texto em voz.

Ouvindo apenas a chata Navi e a voz computadorizada, mas sabendo que não estava jogando sozinho, Verner conquistou não só Ganon como mais auto-estima. “O impossível é apenas o que não foi tentado”, palavras de um cego que sentiu o fim de Zelda.

Reportagem da CNN

Fotos da reportagem:

via Joystiq

JoguEpire – Cronologia Megaman – Parte 1 fevereiro 27, 2010

Posted by Zé in Cultura Gamer, Reflexão.
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
2 comments

Megaman é, na minha opinião, uma das melhores séries já criadas. Desde os meus 10 anos, acompanho o mascote azul da Capcom nas mais diversas séries e sempre me divirto com elas (exceto Megaman Legends, ô joguinho ruim); afinal, o ponto forte da série está em sua jogabilidade: passar por fases cheias de armadilhas e inimigos, enfrentar um chefe no final e ganhar seus poderes é tão simples e divertido na série ZX quanto na série clássica. No entanto, se tem uma coisa em Megaman que não é simples, esta é a história da série.

Entender a história de Megaman é tão fácil quanto andar numa corda bamba…com os olhos vedados, bêbado e em cima de um skate. O problema da narrativa não é a história de uma série individualmente, e sim como uma série se conecta com a outra. Essa cronologia da saga deixa gamers malucos: o que acontece no mundo de Megaman no final de uma série, para que a outra tenha início?

Capa americana do primeiro Megaman. O que eles estavam pensando?!?!?!

Obviamente, a maioria das respostas ainda não existem, porque…bom, muitas das séries ainda não acabaram. O que existe são alguns dados revelados pela Capcom em certos games e muitas, mas muitas teorias criadas por fãs. Pensando nisso, Resolvi resumir as séries e mostrar algumas teorias de como elas se conectam. Neste post, a série clássica, com um leve toque de Megaman X.

O ano é 200X, e o renomado cientista Dr. Thomas Light cria dois robôs que serviriam como seus assistentes no laboratório: Megaman, um robô com a capacidade de copiar qualquer ferramenta, e Roll, feita para limpar o laboratório. O experimento foi um sucesso, e Light resolve criar mais seis robôs que teriam a função de ajudar os seres humanos a realizar tarefas difíceis: Gutsman, Cutman, Elecman, Fireman, Bombman e Iceman.

Dr. Wily, um cientista que foi renegado pelo conselho de ciência devido às suas idéias malucas e atitudes antiéticas, com inveja do sucesso de Light, entra no laboratório dele e, acreditando que Megaman e Roll não seriam úteis, rouba os seis outros robôs e os reprograma para fazer o mal.

Com os robôs criados por Light espalhando o caos, Megaman se oferece para lutar contra eles. Light, sem outra escolha, converte o ajudante em um robô de batalha, e assim começa a batalha de Megaman contra Dr. Wily. Basicamente todos os Megaman clássicos têm esta história: Willy cria ou reprograma robôs para o mal, e Megaman tem de derrotá-los. Mas existem três pontos importantes na história clássica: a criação de Protoman, Bass e Zero.

Protoman, como o nome sugere, foi o primeiro robô com características humanas criado por Dr. Light. No entanto, ele tinha um gerador de força defeituoso, que acabaria por destruí-lo. Atormentado pelo seu defeito e sem ter outros robôs semelhantes a ele com quem pudesse interagir, Protoman foge do laboratório de Light quando este quis repará-lo, acredidanto que o Doutor iria alterar sua personalidade ao invés de realizar concertos. Protoman vaga pelo mundo até encontrar Dr. Wily, que repara seu gerador temporariamente.

O reparo de Protoman faz com que Wily entenda o funcionamento dos robôs de Light, e é assim que ele os reprograma.  Protoman aparece pela primeira vez em Megaman 3 como um inimigo; mas após lutar contra Megaman e entender quem Dr. Wily realmente é, ele volta para o lado bom da força. No entanto, ele ainda desconfia do Dr. Light, e por isso age por conta própria.

Bass aparece pela primeira vez em Megaman 7. Ele é um robô criado por Dr. Wily para TAN TAN TAN… destruir Megaman! Apesar de trabalhar para Wily, Bass não é controlado por ele: muito pelo contrario, a sua única meta é se tornar o robô mais forte de todos, e para isso ele precisa derrotar Megaman.

Em muitos games Bass se une com Megaman para derrotar um inimigo em comum, que se proclama mais forte do que ele (como King, em Megaman e Bass), e até mesmo para derrotar Wily, quando este o irrita e resolve criar outros robôs “fracos” para tentar vencer Megaman.

A criação de Bass vai, eventualmente, dar a Wily a capacidade de criar Zero, um dos protagonistas da série X. No jogo de luta Megaman 2: the power fighters, o final de Bass (veja o vídeo abaixo) mostra a origem do robô e a de Zero: Wily desenvolve um tipo de energia muito poderoso chamado Bassnium  e a partir dela constói Bass (criativo…). Com esta energia, ele começa a desenvolver Zero, que segundo o doutor maluco, será muito mais poderoso que Bass ou Megaman.

É aqui que as coisas complicam de verdade e as dúvidas surgem: a série X, na qual Zero aparece, só acontece depois de 100 anos da série clássica. O que aconteceu com o mundo durante este tempo? Que fim levaram Megaman, Bass, Roll e Protoman? Uma teoria, muito aceita pelos fãs de Megaman é a do cataclisma: Zero teria despertado e ficado sem controle, matando todos os personagens da série clássica. Apesar de ser uma teoria muito interessante, fica uma dúvida: o que Zero ficou fazendo durante os 100 anos que antecedem Megaman X? Outra teoria é bem mais simples, dizendo que os robôs ficaram ultrapassados e foram desativados, e Dr. Light e Wily morreram de velhice. Alguma dessas teorias está certa? Será que Megaman 10, que vai sair em março para PSN, WiiWare e XBLA, pode responder algumas perguntas? De acordo com Hironobu Takeshita, produtor de Megaman 9, em entrevista ao site 1UP, “essas teorias não são oficiais. De fato, as duas séries (clássica e X) se passam no mesmo mundo, em períodos de tempo diferentes. Algum dia pode existir uma conexão entre as duas, mas ainda não acho que seja a hora”. Ou seja, nem a Capcom ainda sabe o que fazer com a historia da série.

A cronologia de Megaman não acaba aqui! No próximo post, a série X e suas ligações com Megaman Zero!

Para que servem os games? fevereiro 23, 2010

Posted by Carlos in Games e arte, Reflexão.
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
4 comments

Um vídeo recente tem gerado polêmica e uma discussão muito saudável.

Chama-se My Gaming Resolution (algo como “Minha Promessa Gamer”). O criador começa a animação dizendo que não espera fazer a cabeça de ninguém com o vídeo, o que claramente é falso. Afinal, as palavas podem mentir, mas músicas melosas e estilo fofinho não.

Nâo gostei do vídeo, embora concorde com quase tudo o que ele diz. Nada melhor que assisti-lo, mas, para introduzir a discussão, seu esqueleto basta.

O gamer médio?

My Gaming Resolution é uma animação, de 5min36s, que defende que jogos eletrônicos são apenas entretenimento fútil. Eles só serviriam para algo quando ajudam na socialização, unindo pessoas com papo e calos em comum.

Os jogos seriam descartáveis, já que são consumidos somente para o prazer momentâneo – praticamente mascamos Halo e GTA. A exceção à regra, portanto, seria a atividade ao lado dos seus amigos.

A pergunta: “quanto tempo perdemos jogando?”

Entramos então nas estatísticas sobre games. Uma rápida googlada traz alguns dados essenciais. O conciso e didático site Video Game Statistics tem dados importantes. Alguns, surpreendentes: a idade média dos gamers seria de 32 anos e haveria mais jogadores com 50+ anos do que menores de idade (!?). O problema da página é que ela é tão bonita que obscurece o fato de não possuir referências… de onde tiraram os dados? Gameshark? Chuto que a pesquisa diz respeito ao público americano. De qualquer jeito, só vamos usar um dado: os gamers gastam em média 18h por semana apertando botões. Dá até para confiar neste número, mas usemos mais um, para garantir.

Um artigo do HardestLevel mostra uma pesquisa de 2008 sobre o mesmo tema. Diferente da outra, essa possui fonte. Agora, às contas, yay!

Para não gastar o dia procurando por números perfeitos, farei uma conta com os dois sites só. Segundo o bonitinho VGS, a média de tempo jogado (fora?) por semana é de 18h. A média do artigo é de 20,2 horas. 19 horas de jogatina a cada sete dias, então. Essa amostragem tem alguns problemas: ambos não consideram jogos de PC, além de se referirem somente aos gamers americanos. No fim, porém, é possivel ter uma ideia de quanto tempo os gamers passam jogando:

19h por semana;

76h por mês;

912h por ano.

Isso quer dizer passar 10.5% do ano jogando video game, 37 dias e 12h, um mês e uma semana.

Em um ano, isso dá 1.641.600 minutos ou 98.496.00 segundos, o suficiente para assistir ao Avatar 10.133 vezes, dar meia volta no mundo velejando ou ir a pé de São Paulo a Manaus (ok, sem pausas).

Nos comentários do vídeo a tônica parece ser “sou gamer mas sou normal, é só achar um equilíbrio”. Isso não muda o fato de que os números acima são assustadores, grandes demais. E claro que há os gamers hardcore! A mensagem do My Gaming Resolution é exatamente essa: “calma com os games, eles são fúteis se não envolverem amigos reais”.

Reflexões sobre a solidão numa linguagem inventada, em um pequeno mundo repleto de gigantes

É aí que eu discordo completamente da visão do MGR. Jogos eletrônicos não são somente futilidade, tampouco apenas objetos de consumo. Verdade que os games não nasceram com função social, longe disso. Contudo, eles têm um potencial artístico. O cinema nasceu sem saber exatamente o que era, ganhou uma linguagem própria com o tempo, depois ela foi destruída e hoje virou tudo uma salada (muito rentável). O mesmo acontece com os games, só que de forma mais rápida, tudo ao mesmo tempo. A arte nos games serve para eles venderem mais? A maioria das vezes sim, mas isso a invalida?

Se jogos são somente entretenimento, o que é a narrativa da saga Metal Gear e de Valkyrie Profile; a trilha sonora dos Final Fantasies; a ambientação de Resident Evils e Fallouts; a imersão de Deus Ex e Ace Combat; o humor em Earthbound e Katamari; a história de Chrono Trigger; a arte de Okami e Shadow of the Colossus… A emoção de Zelda: Ocarina? Essas criações e seus recursos não são passageiros.

Se games são só entretenimento fútil e efêmero, por que muitos gamers retomam os clássicos acima até hoje? São todos jogos que foram lançados em peso no mercado, nada de indie. Por um lado, iniciativas como Virtual Console do Wii e a rede PSN da Sony trazem jogos antigos e lucros novos. Por outro, se ainda há procura por eles, é porque têm algo de atemporal.

Por fim, há um dado que prova que games podem ser arte. Mais do que um dado, uma atitude: ser crítico a eles. O jogador (você!) pode pausá-los e tentar entender suas referências e influências, seus acertos e falhas, fazer relações e situá-lo num contexto. Isso pode não te ensinar a manejar uma espada, mas com certeza te deixa mais esperto.

O que você acha da discussão? Games podem ser arte? Ou são só um passatempo mesmo?

P.S.:Mais críticas ao site Video Game Statistics podem ser encontradas no Digg, com comentários sobre o site. Claro que a maioria é bobagem, como ressaltar que os dados não lembram o Campo Minado do Windows.

K.O. fevereiro 13, 2010

Posted by Zé in Humor.
Tags: , , , , , , , , , , ,
add a comment

Minha cópia de Tatsunoko Vs. Capcom chegou esta semana, yay! Antes de mais nada, o jogo é simplesmente fantástico: é divertido, tem combos e supers extremamente exagerados e o desafio, tanto online quanto contra a AI do game, é sempre correspondente ao nível de habilidade do jogador. Agora, o que achei de ruim no jogo: eu sou PÉSSIMO nele. Hoje fiquei treinando um combo com Tekkaman Blade por mais de uma hora, e não consegui fazer direito ainda. Tentando entender o porquê de tamanha falta de habilidade, procurei no fundo de minha memória gamer e encontrei as respostas.

É difícil admitir quando um game é melhor que você, mas esse é o caso aqui.

Em primeiro lugar, perdi o costume de jogar games de luta como Tatsunoko. O último que joguei seriamente foi…hã…Street Fighter II, meu primeiro jogo de SNES (sim, meu Super Nintendo não veio com Mario Bros…) e provavelmente um dos games que mais joguei. É claro que ao longo dos anos dei uma jogada em um The King of Fighters aqui, um Mortal Kombat ali, mas foi sempre uma jogada casual, nunca tive vontade de me aprofundar nestes jogos. Isto causa meu primeiro problema com Tatsunoko: a falta de coordenação para realizar os combos, especialmente quando estes exigem uma precisão e um timing perfeito – demore um microssegundo a mais do que deveria e seu combo já era, fazendo com que seu adversário te contra-ataque sem dó.

Meu segundo problema na verdade é a continuação do primeiro. Se não joguei muitos games de luta ao longo dos anos, o que estive jogando? Bem, majoritariamente, RPGs. Apertar um botão para fazer escolhas em um menu durante anos é algo que atrofia a habilidade de qualquer um em games que exigem reflexos e precisão.

História complexa e ótimos personagens não ajudam em nada quando Ryu está acabando com você

História complexa e ótimos personagens não ajudam em nada quando Ryu está dando um combo de 5578597 hits em você

Por fim, o meu último problema final com Tatsunoko é que ele é diferente de jogos tradicionais de luta. Em Street Fighter IV, por exemplo, posso pegar um controle e jogar normalmente com o Ryu, pois além dos comandos serem basicamente iguais à versão do SNES, é possível lutar com cautela, esperando o erro do oponente para contra-atacar na hora certa. Em Tatsunoko, no entanto, o que conta é a sua habilidade, criatividade e destreza em criar e executar combos devastadores. Soltar os especiais mais fortes de cada personagem é o de menos, o desafio aqui é como encaixar esse especial em uma cadeia de golpes maior.

Para mim, isso é um ponto muito positivo para o jogo, pois abre muitas possibilidades de combos diferentes, que levam em conta os golpes do personagem utilizado no momento, o assist do parceiro e a capacidade de fazer escolhas difíceis sob pressão: há um sistema no jogo chamado Barouque, que sacrifica toda a sua vida vermelha, que pode ser recuperada quando seu personagem está na reserva, para estender combos e aumentar o dano causado. Esse sistema pode virar uma luta que já estava perdida, ou pode te afundar ainda mais, só depende da sua habilidade – no momento, o Barouque só me afunda…

O combo de Tekkaman Blade, de acordo com especialistas no game: 5A, 5B, 2B, 5C, Lançar, S.j, 5A, 5A, 5B, 5B, j, 2C. Simples né?

No entanto, esse mesmo sistema é a minha ruína no game, pois imaginar os combos é uma coisa, fazer com que eles funcionem no training mode é outra um pouco mais complicada; e quando se joga online com um oponente forte, o desespero é tanto que eu acabo esquecendo qualquer estratégia e saio apertando qualquer botão, esperando um milagre para vencer.

De qualquer forma, Tatsunoko Vs. Capcom é um ótimo e complexo game de luta, mas que nunca deixa de ser divertido. Se você quiser comprar o jogo, mas não quer perder tempo tentando entender todos os mínimos detalhes, tudo bem; o controle padrão do Wii tem comandos simplificados, que permitem a realização de combos e especiais facilmente. E para quem quer dominar o jogo mesmo sem ter muita experiência em jogos de luta, prepare-se para praticar, muito…

Se praticar bastante ainda chego lá! Só não vou tomar suco de ovo pra isso...blergh