jump to navigation

Revivendo o Blog junho 29, 2010

Posted by Zé in Sem categoria.
Tags: ,
1 comment so far

De volta logo logo, aguarde!

Anúncios

Videogames são arte? Isso importa? junho 1, 2010

Posted by Carlos in Cultura Gamer, Games e arte, Reflexão.
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
8 comments

Sou gamer e gosto de pensar sobre os games. Não só na resolução dos seus gráficos, no impacto da trilha sonora ou na jogabilidade precisa ou falha. Acho que jogar é mais do que apertar botões no tempo certo. Procuro tentar entender como cada elemento se junta para criar significados que pixels coloridos, notas musicais e botões gastos, sozinhos, não possuem.
Hmmm.

Games têm um sentido que vai além do óbvio. Games não são apenas um produto mercadológico. Games são mais que entretenimento…
Agora chega a frase mágica: Games são arte! Está aberto o debate, gritos fervorosos ecoam na comunidade gamer – uma discussão emocionante a princípio, mas de uma repetição nauseante mais para o fim inalcançável.

O gatilho da discussão data lá de 2005, quando Roger Ebert, famoso crítico de cinema e roteirista , martelou categoricamente que games não são arte. E que nem podem ser. Nas palavras dele, “videogames, por sua natureza, exigem escolhas do jogador, o que é a estratégia oposta dos filmes e literatura séria, que demandam controle autoral.”
Polemizador nato, Ebert cutucou uma ferida que trouxe à tona uma repercusão impressionante. Depois disso, mais e mais e muito mais debate.

SAIA DAÍ E VÁ JOGAR! (Montagem)

Mas o que quer dizer game é arte?
Aí que tá: depende. Arte é um tema tão complexo e abrangente que essa frase, por si só, não quer dizer nada. O perigo é que ela guarda um paradoxo não tão óbvio: games são um fenômeno cultural e industrial criado no fim do século XX, extensão tecnológica do jogo – conceito esse presente desde o Big Bang. Já a arte, para o senso comum, quer dizer Da Vinci, Mozart, Shakespeare e museus. Esse conceito já foi descontruído por Duchamp há quase um século, quando ele, de pinico na mão, indagou: só porque está no espaço do museu é arte?
Para colocar game e arte na mesma frase, portanto, é importante pelo menos situá-los no mesmo século.

Impossível fazer uma legenda original dessa foto batida

Para polemizar, o Video Games Live é arte?
Sim e não.
É música maravilhosa e uma super produção, mas não é arte de games. É um show de música, é música. Música, música, música.
A arte de games está no game, no ato de jogar, não no palco ou na mp3: situa-se na relação entre seus elementos e nos significados criados aí. Não são os gráficos, a música ou a jogabilidade, é a soma desses fatores.
Mas espera! e o Nobuo Uematsu, o roteiro de Mass Effect, a atmosfera de ICO e Shadow of Colossus, a imersão de Myst, a base filosófica de Bioshock, a jogabilidade de Braid e e…. ?
Esses casos (e muitos outros) envolvem criações de tão boa qualidade que superam a plataforma  de onde vieram, no caso o videogame. Rendem discussões, brigas, fins de namoro, isolamento social, mods, remixes funk e subprodutos: CDs, livros, shows, artbooks. E, claro, não esqueçamos o fator mercado: essa “arte” dá uma boa grana.

A ótima trilha de Ace Combat 5 dá um bom exemplo. É uma delícia ouvi-la de manhã, antes de uma prova importante ou um primeiro encontro. Motiva mais do que o tema do Rocky! Só que isso tudo é extensão da vida útil dela: ela serve para animar você, jogador, e deixar a experiência de pilotar seu avião mais intensa.

Então comofas?

Ice-Pick Lodge é uma desenvolvedora russa, autora de Pathologic (2005) e The Void (2009). O primeiro ganhou todos os prêmios russos possíveis e mais alguns, sendo aclamado por sua profundidade temática, mas chamado de “Oblivion com câncer” por ser pesadíssimo. É interessante, só que é MUITO difícil de jogar, não tentem, avisei! Pathologic chegou em mares nunca dantes navegados, só que num barco bem fuleira. Aqueles corajosos e desocupados que o desbravaram reconheceram seus potenciais.

Os desenvolvedore da Ice-Pick, em entrevista, disseram o que considero essencial: “A raiz de tudo é a liberdade de escolha do jogador”. Extremamente lúcidos, os russos consideram que o game como meio tem diversas “ferramentas” próprias. Eu colocaria algumas: a necessidade de o jogador ser ativo, a possibilidade do multiplayer, diferentes interfaces de controle, o confrontamento com a inexistência do definitivo (vide patches e DLC).

Chega!
Um tempo atrás eu era defensor ferrenho da ideia de que games poderiam ser a nona arte, talvez até a arte definitiva. Afinal, eles inauguraram uma sinergia entre imagem, som e interação forte e, principalmente, sem precedentes. Isso potencializa trabalhar narrativas de maneiras até então inimagináveis.

Mas falar de games e arte cansa. Talvez seja interessante pensar na relação cinema-games e como a narrativa cinematográfica contamina os games; os advergames e seu impacto no mercado; como os games  afetam a economia; como a economia afeta os games; será que os games têm uma mitologia própria? Esses tópicos são tão mais legais, estimulantes e produtivos do que game ser arte ou não!

Por que os games precisam ser arte? Talvez para justificar as bolhas no dedão, para reforçar a ideia de que game são sérios, para agregar valor ao$ produto$ ou para contradizer o Ebert.

Videogames são arte? A pergunta certa é: isso importa?

JP traduz: História, RPGs, e a luta pelo apelo Mainstream março 19, 2010

Posted by Carlos in JoguEtraduza, Reflexão.
Tags: , , , , , , ,
add a comment

Por Brian Shirk*

Os programadores primeiro desenvolveram video games como um passa-tempo complexo voltado para geeks, mas o lançamento do infame duelo de joysticks conhecido como Pong alterou o futuro dos games. Com um simples clone do Magnavox Odyssey Tennis,  a Atari deslocou o apelo dos video games de hackers para donos de bares e donas de casa pelo mundo afora. Desde os anos 70, a industria tem presenciado  games cujo apelo é voltado exclusivamente a gamers hardcore e casuais, e por vezes, a ambos segmentos de mercado.

Centenas de games pertencem a cada tipo de gamer, mas um gênero em especial raramente deixa seus confins hardcore. O RPG normalmente tem apelo para gamers hardcore devido a tolerância deles a estatísticas complexas e mundos imersivos. Mas eu tenho outro motivo para RPGs raramente alcançarem o mainstream – eles muitas vezes se apropriam de temas acadêmicos tais como História que as pessoas normalmente acham entediante.

As pessoas geralmente escolhem ver o mundo em termos de branco e preto ai invés de examinar como alcançamos nosso estado atual porque a vida é mais fácil desse modo. Nossa mídia e governo nacionais escolhem retratar terroristas do Oriente Médio como desumanos e irracionais porque o público não precisa nada além disso para definí-los como inimigos

Eles também descrevem os soldados americanos em termos simples –são heróis trabalhando para propagar a democracia pelo mundo. Independente de sua opinião sobre esse ponto de vista, está claro que a mídia não está veiculando certas informações importantes – provavelmente porque a maioria das pessoas não se importaria mesmo se elas estivessem disponíveis.

A maioria das pessoas está feliz vendo o mundo em termos simples em que a sociedade define um lado como o inimigo e o outro como o bonzinho. É uma pena; poucas pessoas percebem que os “terroristas” do Oriente Médio têm motivacões que são tão concretas quanto as do Ocidente.

Talvez os norteamericanos entenderiam melhor a causa dos terroristas do Oriente Médio se soubessem como o governo dos EUA e os de países da Europa Ocidental implantaram e defenderam ditadores em nações como o Irã e o Pakistão. Ou como logo em seguida, pilharam seus recursos e deixaram seus povos sem possessões. Os norteamericanots também entenderiam melhor as motivações “terroristas” se eles reconhecessem a imposição da cultura ocidental em territórios que valorizam suas próprias tradições e religião.

Assim como a maior parte de nosso mundo não liga para entender o presente examinando como chegamos ao agora, a maioria não se interessa pelo enredo nos RPGs. Quando a maior parte das pessoas joga videogames, elas estão procurando uma experiência cheia de ação para tester seus reflexos; eles não querem um jogo que usa mecânicas muito estratégicas e baseadas em estatísticas para aprofundar a estória.

Mesmo se eles valorizam o enredo de um jogo tanto quanto a jogabilidade, eles provavelmente deixarão passar o que o deixa especial. A maioria dos jogadores reconhecerão o tema geral do jogo – seja salvar o mundo ou uma parte dele – mas eles não notarão alusões a eventos históricos importantes

Quase todo mundo que jogou Final Fantasy 7 presenciou a morte de Aerith, mas poucos perceberam o posicionamento do jogo em relação à ganância empresarial, classismo e a destruição do meio ambiente. Do mesmo modo, a maioria dos jogadores de Xenogears entendeu o objetivo de Solaris de manipular os Lambs [ovelhas] pelo uso de sua instituição religiosa, a Ethos, mas eles não viram como isso era parecido com o uso do Cristianismo por parte da Europa Ocidental e EUA para subjugar outros povos.

A maioria dos gamers também não percebe numerosas referências a lugares e rituais históricos nos RPGs. Poucos players veem o Kingdom of Karnak [Império de Karnak] do Final Fantasy V como um templo Egípcio da antiguidade, e menos ainda sabem que os rituais funerários do Budismo Mahayanna inspiraram a cena de velório de Lost Odissey.

Detalhes como esse talvez pareçam bobos para o player médio que está apenas preocupado com desafios de coordenação motora, mas para pessoas que apreciam o passado do mundo, essas conexões são um portal para um mundo que não existe mais. Para alguns de nós, esses mundos mágicos são o mais próximo que chegaremos de experienciar costumes e ideias diferentes dos nossos.

Enredo e referências históricas nos RPGs talvez nunca chamem a atenção das massas, mas isso significa que desenvolvedores devam usar Doom [magia de maldição] nas companhias de RPG? Com certeza não. Eles talvez precisem injetar mais ação e evoluir elementos antigos de jogabilidade (batalhas aleatórias), mas eles certamente não deveriam substituir referências históricas e alusões a eventos atuais com truques de James Bond – a não ser que os gamers desejem uma experiência divertida, mas sem sentido.

_______

Comentários pessoais: Acho a visão do autor um tanto reducionista, mas a discussão levantada é muito boa. Como todo bom norteamericano, a discussão de terrorismo, militares e Bush não ficam de fora.

A história dos games pode ser uma porcaria ou pode ser excelente. Mas, para além disso, ela pode ter relações extremamente ricas com o mundo real. Épocas diferentes produzem jogos diferentes, nada é gratuito.

E você, leitor? O que acha? Presta atenção na história dos jogos? Faz relações entre ela e o mundo real?

*Original: History, RPGs, and the Struggle for Mainstream Appeal, por Brian Shirk. Traduzido com permissão do autor.

As opiniões do texto são responsabilidade do autor e blablabla!

Para que servem os games? fevereiro 23, 2010

Posted by Carlos in Games e arte, Reflexão.
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
4 comments

Um vídeo recente tem gerado polêmica e uma discussão muito saudável.

Chama-se My Gaming Resolution (algo como “Minha Promessa Gamer”). O criador começa a animação dizendo que não espera fazer a cabeça de ninguém com o vídeo, o que claramente é falso. Afinal, as palavas podem mentir, mas músicas melosas e estilo fofinho não.

Nâo gostei do vídeo, embora concorde com quase tudo o que ele diz. Nada melhor que assisti-lo, mas, para introduzir a discussão, seu esqueleto basta.

O gamer médio?

My Gaming Resolution é uma animação, de 5min36s, que defende que jogos eletrônicos são apenas entretenimento fútil. Eles só serviriam para algo quando ajudam na socialização, unindo pessoas com papo e calos em comum.

Os jogos seriam descartáveis, já que são consumidos somente para o prazer momentâneo – praticamente mascamos Halo e GTA. A exceção à regra, portanto, seria a atividade ao lado dos seus amigos.

A pergunta: “quanto tempo perdemos jogando?”

Entramos então nas estatísticas sobre games. Uma rápida googlada traz alguns dados essenciais. O conciso e didático site Video Game Statistics tem dados importantes. Alguns, surpreendentes: a idade média dos gamers seria de 32 anos e haveria mais jogadores com 50+ anos do que menores de idade (!?). O problema da página é que ela é tão bonita que obscurece o fato de não possuir referências… de onde tiraram os dados? Gameshark? Chuto que a pesquisa diz respeito ao público americano. De qualquer jeito, só vamos usar um dado: os gamers gastam em média 18h por semana apertando botões. Dá até para confiar neste número, mas usemos mais um, para garantir.

Um artigo do HardestLevel mostra uma pesquisa de 2008 sobre o mesmo tema. Diferente da outra, essa possui fonte. Agora, às contas, yay!

Para não gastar o dia procurando por números perfeitos, farei uma conta com os dois sites só. Segundo o bonitinho VGS, a média de tempo jogado (fora?) por semana é de 18h. A média do artigo é de 20,2 horas. 19 horas de jogatina a cada sete dias, então. Essa amostragem tem alguns problemas: ambos não consideram jogos de PC, além de se referirem somente aos gamers americanos. No fim, porém, é possivel ter uma ideia de quanto tempo os gamers passam jogando:

19h por semana;

76h por mês;

912h por ano.

Isso quer dizer passar 10.5% do ano jogando video game, 37 dias e 12h, um mês e uma semana.

Em um ano, isso dá 1.641.600 minutos ou 98.496.00 segundos, o suficiente para assistir ao Avatar 10.133 vezes, dar meia volta no mundo velejando ou ir a pé de São Paulo a Manaus (ok, sem pausas).

Nos comentários do vídeo a tônica parece ser “sou gamer mas sou normal, é só achar um equilíbrio”. Isso não muda o fato de que os números acima são assustadores, grandes demais. E claro que há os gamers hardcore! A mensagem do My Gaming Resolution é exatamente essa: “calma com os games, eles são fúteis se não envolverem amigos reais”.

Reflexões sobre a solidão numa linguagem inventada, em um pequeno mundo repleto de gigantes

É aí que eu discordo completamente da visão do MGR. Jogos eletrônicos não são somente futilidade, tampouco apenas objetos de consumo. Verdade que os games não nasceram com função social, longe disso. Contudo, eles têm um potencial artístico. O cinema nasceu sem saber exatamente o que era, ganhou uma linguagem própria com o tempo, depois ela foi destruída e hoje virou tudo uma salada (muito rentável). O mesmo acontece com os games, só que de forma mais rápida, tudo ao mesmo tempo. A arte nos games serve para eles venderem mais? A maioria das vezes sim, mas isso a invalida?

Se jogos são somente entretenimento, o que é a narrativa da saga Metal Gear e de Valkyrie Profile; a trilha sonora dos Final Fantasies; a ambientação de Resident Evils e Fallouts; a imersão de Deus Ex e Ace Combat; o humor em Earthbound e Katamari; a história de Chrono Trigger; a arte de Okami e Shadow of the Colossus… A emoção de Zelda: Ocarina? Essas criações e seus recursos não são passageiros.

Se games são só entretenimento fútil e efêmero, por que muitos gamers retomam os clássicos acima até hoje? São todos jogos que foram lançados em peso no mercado, nada de indie. Por um lado, iniciativas como Virtual Console do Wii e a rede PSN da Sony trazem jogos antigos e lucros novos. Por outro, se ainda há procura por eles, é porque têm algo de atemporal.

Por fim, há um dado que prova que games podem ser arte. Mais do que um dado, uma atitude: ser crítico a eles. O jogador (você!) pode pausá-los e tentar entender suas referências e influências, seus acertos e falhas, fazer relações e situá-lo num contexto. Isso pode não te ensinar a manejar uma espada, mas com certeza te deixa mais esperto.

O que você acha da discussão? Games podem ser arte? Ou são só um passatempo mesmo?

P.S.:Mais críticas ao site Video Game Statistics podem ser encontradas no Digg, com comentários sobre o site. Claro que a maioria é bobagem, como ressaltar que os dados não lembram o Campo Minado do Windows.

O mal do século XXI – parte 1 janeiro 24, 2010

Posted by Carlos in Cultura Gamer, Humor, Reflexão.
Tags: , , , , , , , , , ,
1 comment so far

Um mal assola a humanidade no raiar da segunda década deste século. Especialistas relatam que a doença é silenciosa a princípio, só revelando seus sintomas em estágio avançado, quase terminal. Seu nome técnico é vicius incontrolábilus e é composta por um número de males menores.

Neste post, JoguEpense conseguiu entrevistas exclusivas com viciados e recuperados da droga FF, parte da vicius. A sigla é inteligente: quer dizer tanto Fast Forward como Final Fantasy. A primeira expressão é a droga em si: vendida por sujeitos chamados “emuladores”, ela causa aceleração artificial em jogos, aumento de FPS e diminuição dos reflexos. E FF serve também para Final Fantasy porque este jogo é o que comumente serve de entrada para novos viciados, com seus encontros aleatórios e sistema de levelup que privilegia o grinding.

A seguir, os depoimentos.


“Quando eu usei ela pela primeira vez, não pareceu nada demais. Lembro até hoje, foi com uma versão beta do Zsnes. Estava jogando Final Fantasy V, logo antes de um chefe difícil demais. Ela facilitou minha vida gamer, deixou tudo mais rápido, eu ganhava níveis com rapidez e passava pelos diálogos chatos sem demora. Derrotei o chefe em 20 minutos. Parecia bom, parecia inocente. Mas, com o tempo, as coisas ficaram sombrias.” V.C. Ado

“Acredito que o filme ‘Click’, aquele com o ator chato [Adam Sandler], mostra bem a sensação. Começou nos emuladores, mas agora é na vida. Dá uma vontade louca de acelerar as partes chatas, como as cutscenes da minha namorada ou os loading times no banheiro. Nessas horas eu me vejo apertando a tecla ‘ [botão padrão para a função FF] num teclado virtual. Eu sei, cara, que no filme ele aprende e tal, eu sei que ele errou. Eu aprendi com isso também. Mas… mas, eu quero, eu preciso dela, é mais forte do que eu.” Paulo D.V.D.

“Nos primeiros anos eu não via problema em só usá-la em emuladores de Snes ou Gba. Mas agora não consigo jogar Gears of War no meu Xbox 360 sem apertar o atalho ‘. Estou importando um computador melhor dos states para rodar meu Gears em emulador, quem sabe consigo uns 150% de velocidade.” João “Joypad” Marques

“Você não imagina o que é começar a utilizá-la em RPGs com batalhas aleatórias difíceis e agora usar no Guitar Hero é tenso estou começando a falar rápido as pessoas não acompanham meu raciocínio como faço para elas me entenderem é culpa minha por acaso se penso muito rápido acho que não deve ser só um sinal da evolução humana isso sim é verdade sou o próximo passo do ser humano Homo Sapiens Sapiens Accelerus [não conseguimos transcrever o restante, nos desculpem].” Cláudia “Aeris Ganhaborough”

“Atualmente uso com moderação, somente com Rock Band. Tudo mudou quando conheci a Bia. Ela passou por umas fases complicadas também, não, ela não usou a FF nessas fases! De qualquer jeito, nos ajudamos. Por que uso só no Rock Band? Academia é muito caro. Conquistei a Bia tocando batera no expert 200%, ela adora meus músculos.” Luan Blu “Rayban”

No próximo post do dossiê vicius, tudo sobre a droga SS.

Prince of Persia desafia o destino dos filmes baseados em games novembro 5, 2009

Posted by Zé in Cultura Gamer.
Tags: , , , , , , , , , , , , ,
3 comments

Existe uma coisa que deixa os gamers malucos de excitação, mas ao mesmo tempo com muito medo do que pode acontecer: adaptações em filme dos nossos games favoritos. Quem nunca imaginou franquias como Metal Gear, Devil May Cry ou God of War na telona? Com certeza games assim têm potencial para um ótimo filme.

No entanto, a história nos mostra que filmes baseados em games raramente dão certo. Basta ver o que fizeram com Mario, Final Fantasy, Street Fighter e, mais recentemente, Max Payne (não vou nem comentar os “clássicos” criados pelo Uwe Boll, porque o que ele faz está muito longe de ser chamado de filme).

Mas existe uma luz no fim do túnel! Finalmente, foi liberado um trailer oficial do filme Prince of Persia: The Sands of Time. Pelo pouco que dá para ver no trailer, a adaptação tem diversos elementos do primeiro game, como a adaga do tempo, as areias do tempo só podem ser utilizadas pelo príncipe, e é possível ver as acrobacias fantásticas do herói, marca registrada da série. Além disso, os cenários são gigantescos, e os efeitos especiais estão fantásticos.

prince-of-persia-20090723-prince-poster-high-res

Agora resta saber o mais importante: se a história do filme será fiel à do primeiro game. Eu aposto todas as minhas fichas de que o filme alcançará esse feito, que parece tão simples, mas que ninguém consegue em filmes sobre jogos, e que a trilogia iniciada por Sands of Times nos games se tornará uma trilogia de filmes, o que possibilitaria contar a história da série muito bem. Por que eu acho tudo isso? Porque o filme está sendo feito pelo mesmo estúdio que criou a série Piratas do Caribe. Se a Disney não conseguir fazer um filme bom baseado em um game, realmente não existe salvação para as adaptações de games na telona.

Trailer de Prince of Persia: Sands of Time

Fato curioso: Vocês notaram que a roupa do príncipe não é a do primeiro game, e sim do segundo? Será que isso indica que já estão pensando em uma continuação baseada em Warrior Within? Só o tempo dirá…

FicaDica – Tributo ao SNES outubro 23, 2009

Posted by Zé in Cultura Gamer.
Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,
1 comment so far

O artista japonês IsoTkhs criou os dois vídeos abaixo, chamados de SNES arranged medley, para o deleite dos fãs do Super Nintendo. Os vídeos mostram Crono e Frog, do jogo Chrono Trigger, viajando por diversos jogos do Super Nintendo para encontrar sua companheira Marle.

Mais de dezoito jogos do console são homenageados nos vídeos, como os três Final Fantasy, F-Zero, Zelda, Secret of Mana, dentre muitos outros. A qualidade técnica do vídeo impressiona, não só pelo excelente trabalho em mesclar os personagens de diferentes games, mas principalmente pela trilha sonora, que muda de acordo com o jogo apresentado.

Para os fãs da era do Super Nintendo, não deixem de ver esse vídeo. E para quem não fez parte dessa era, assista também para ver os games que marcaram época, e que não vão morrer nunca na mente e no coração dos fãs.

Fonte: Retro Fantasy

Games que relembram a infância – Parte 3 outubro 17, 2009

Posted by Zé in Reflexão.
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
1 comment so far

Zelda, Final Fantasy, Mario, Resident Evil, Megaman. São todas ótimas séries, com games memoráveis, mas nenhum destes games se compara ao jogo de que vou falar neste post, um jogo simplesmente épico e que marcou minha vida. Esse jogo não poderia ser outro senão:

Turma da Mônica em: O resgate (Master System)

Não estou brincando quando digo que este jogo é e sempre será o meu favorito. Os jogos da Turma da Mônica, lançados no Brasil pela Tec Toy (representante oficial da Sega na época), eram na verdade adaptações da franquia Wonder Boy. A Tec Toy fez isso com um monte de títulos, transformando ícones da nossa infância, como os personagens da TV Colosso e Chapolin nos personagens principais de diversos games.

Turma da Mônica em: O Resgate é a adaptação do quarto jogo da série Wonder Boy, conhecido originalmente como Dragon’s Curse. Na história original, o jogador começa controlando o personagem em sua forma humana e extremamente poderosa no castelo do dragão. Ao derrotar o dragão, porém, uma maldição transforma o herói em um monstro, e ele deve derrotar os outros inimigos para retornar à forma original. A cada chefe, sua forma muda, até que você consiga voltar ao normal.

A versão brasileira é igual em todos os aspectos, as únicas diferenças estão nos sprites  dos personagens principais e na história, que foi adaptada para incluir a turma, e que deixou o jogo muito mais legal: você começa controlando Mônica, e ao derrotar o dragão, o Capitão Feio a seqüestra; cabe aos outros personagens  resgatá-la. Cada personagem da turma equivale a um dos monstros na versão original, portanto o esquema é o mesmo: derrote um chefe com o Chico Bento e se transforme no Bidu, e assim por diante.

O melhor jogo de todos os tempos, PONTO!

O melhor jogo de todos os tempos, PONTO!

Pode parecer ridículo eu dizer que a versão modificada é melhor do que a original, mas pense bem: você, pirralho de sete anos, iria preferir jogar o jogo original, no qual você se torna um monte de monstros genéricos, como Lion e Piranha Man, ou iria preferir controlar personagens que faziam parte da sua vida e te divertiam muito, como Cebolinha, Magali e Anginho? Eu escolho a segunda opção, com certeza.

Versão brasileira ou não, vamos ao que torna esse jogo tão divertido, a sua jogabilidade. Você começa o jogo no controle de Chico Bento, e com ele poucas áreas do mundo estão acessíveis. O mundo vai se ampliando na medida em que outros personagens são adquiridos. Cebolinha, por exemplo, é o único personagem capaz de nadar, ao passo que Anjinho consegue voar.

turma-da-monica-em-o-resgate-cena

turmadamonicaemoresgate3

Achar fotos para jogos antigos não é fácil…

As dungeons do jogo são impressionantes por causa da diversidade dos cenários, e os gráficos coloridos só tornam a aventura mais interessante. Prepare-se para lutar em uma pirâmide egípcia, num navio pirata afundado e até mesmo em uma academia de ninjas secreta, enterrada nos confins da terra!

Explorar cada canto do mundo é fundamental, pois existem baús do tesouro, que muitas vezes te dão corações que aumentam permanentemente sua vida, dinheiro, usado para comprar equipamento, e magia, que é usada para atacar inimigos à distância. Há uma grande quantidade de lojas, que vendem armas, escudos e armaduras, que como em um RPG, aumenta os atributos dos personagens.

Turma da Mônica em: o resgate é um jogo extremamente divertido, que deve agradar tanto aos fãs de jogos de ação como os de RPGs. Além disso, controlar os personagens da Turma é muito interessante e vai fazer você se lembrar da época em que a Mônica batia no Cebolinha, e não beijava ele.

NÃAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAO!

NÃAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAO!

Continua amanhã, com um jogo que mistura duas franquias que você nunca imaginaria ver juntas!

Games que relembram a infância – Parte 1 outubro 15, 2009

Posted by Zé in Reflexão.
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
add a comment

Dia das crianças, 12 de outubro. Quando eu era um pirralho, essa era a minha data favorita depois do meu aniversário: nada de escola, presentes, a família unida, presentes, o que mais uma criança podia querer? É engraçado que essa data não tenha mais nenhum significado para mim, é apenas um feriado normal como qualquer outro. Realmente, crescer é um saco.

Por sorte, existem alguns games que, não importa o quão velho estamos, nos fazem relembrar o que era ser criança, alguns games que, no momento em que você começa a jogar, te levam de volta a uma das melhores épocas da sua vida, na qual não havia muitas responsabilidades, os problemas do mundo não importavam nem um pouco, e o mais importante de tudo, a TV Manchete existia para alegrar os nossos dias.

Esta série de posts é um oferecimento de Peter Pan, o menino que aproveita o dia das crianças todo ano. Sortudo...

Estes posts são um oferecimento de Peter Pan, que aproveita o dia das crianças todo ano. Sortudo...

Pensando nisso, decidi falar sobre os games que me fazem sentir como uma criança; games que, como alguns adultos, não envelhecem por dentro, tendo sempre aquele espírito inocente e divertido das nossas infâncias. E o primeiro game de que vou falar é…

Final Fantasy Fables: Chocobo Tales (Nintendo DS)

Quando eu ouvi falar desse game pela primeira vez, confesso que imaginei que era um jogo feito apenas para ganhar dinheiro em cima do nome Final Fantasy. Um jogo no qual o personagem principal é um chocobo? Fala sério, que besteira! Felizmente eu estava enganado, pois esse game é tão bom que não consegui parar de jogá-lo (algo que nem mesmo os remakes de FF III e IV para o DS conseguiram fazer…); o ditado “não julgue um livro pela capa” não poderia ser mais apropriado nesse caso.

A história começa com a maga branca Shirma e o mago negro Croma, que vivem em uma ilha com muitos chocobos, protegida pelos cristais dos quatro elementos. Croma voltou de sua última jornada trazendo um livro misterioso, e ao abri-lo, ele liberta o mal supremo do mundo que estava selado no livro: o mestre da trevas Bebuzzu, que suga todos os seus amigos chocobos no livro. Bebuzzu ainda está fraco, e para restaurar seu poder, deve destruir os quatro cristais. Cabe a você, o único chocobo que restou, salvar a ilha e o mundo.

A história não é grande coisa, mas a intenção é exatamente essa: o game sabe disso ao ponto de tirar sarro em momentos dramáticos do jogo. Em uma determinada parte, um dos personagens diz algo como “essa história está chata, a gente precisa de uma mudança no enredo!” Mas o que realmente diverte nesse game é sua jogabilidade. Para avançar no jogo, é preciso entrar em diversos livros de contos de fadas, que perderam os seus finais por causa do poder maligno de Bebuzzo, e restaurá-los ao que eram antes.

Revivendo a infância no estilo Final Fantasy!

Revivendo a infância no estilo Final Fantasy!

Esses contos de fadas são conhecidos de todo mundo, mas tem o charme da série Final Fantasy: prepare-se para participar da corrida entre a tartaruga e a lebre, digo, entre o adamantoise e cactuar, ou desça rapidamente do pé de feijão após roubar o Titan. Cada um desses contos é um minigame diferente, no estilo Mario Party, que contam geralmente com dois modos: Time Trial e competição contra os chocobos malignos. Sempre que um desses modos é concluído, você é recompensado com cards de monstros, que são usados em batalhas estilo Yu-Gi-Oh! para derrotar os chefes do jogo, e o conto de fadas ganha um final diferente. Cada conto tem até três finais diferentes, um mais divertido do que o outro!

Com uma história que tem o intuito de apenas divertir, minigames que utilizam muito bem as capacidades do DS, um sistema de batalhas por cards divertido e intrigante (é possível duelar online contra outros jogadores) e muitos contos de fadas que fizeram parte da infância de todo mundo, Chocobo Tales é um título mágico, que faz jus ao “Fantasy” no nome. Apesar do visual infantil e de parecer “bobinho”, esse jogo com certeza agrada muito marmanjo que sente saudades de sua infância.

Marmanjo após jogar Chocobo Tales

Marmanjo após jogar Chocobo Tales

Amanhã tem mais, se preparem para as aventuras do menino amarelo mais querido do mundo!

Tamo falando de games, mano! outubro 1, 2009

Posted by Zé in Cultura Gamer.
Tags: , , , , , , , , ,
1 comment so far

Existem coisas nesse mundo que não se misturam: água e óleo, chocolate e batata frita, games e rap… Pense bem, os games nasceram como algo tipicamente nerd, e o rap como tipicamente mano, então são duas coisas totalmente diferentes, certo? Se essa pergunta fosse feita para os artistas Duane e Brando, eles provavelmente ririam da sua cara.

Duane e Brando fizeram o que parecia ser impossível: juntar games e rap de forma perfeita. O interessante dessa mistura inusitada não é apenas a música, e sim as imagens dos games que são utilizadas para contar a história do jogo. As músicas da dupla são baseadas em games antigos como Megaman 2, Ninja Gaiden, o Final Fantasy original e muitos outros títulos famosos, e o ritmo delas será extremamente familiar para quem jogou os jogos. 

Duane e Brando inspiraram outros rappers, como esse tal de 50 cent

Duane e Brando inspiraram outros rappers, como esse tal de 50 cent

Os vídeos conseguem parodiar tanto os games quanto o rap: eles contam a história do jogo de forma engraçada, muitas vezes apontando as bizarrices do jogo, e com muitos palavrões, algo que se tornou clichê em diversos raps. Em muitos vídeos, como os do Final Fantasy e Megaman, há diálogos hilários entre os heróis e os vilões, que se xingam e se  provocam a todo momento. 

O melhor de tudo? As músicas são ótimas! Eu já sei o rap do Megaman de cor de tão bom que é (e também porque eu assisti ao vídeo umas 503735789 vezes… sim, é realmente muito bom). O único problema dos vídeos é que eles estão em inglês, então quem não entende o idioma infelizmente não vai poder aproveitar. Para conferir o trabalho dos nerds mais manos (ou manos mais nerds, você escolhe) de todos os tempos, clique aqui.

Bill Gates não teria criado a Microsoft não fosse por Duane e Brando

Bill Gates não teria criado a Microsoft não fosse por Duane e Brando

 

Meus vídeos favoritos da dupla:

 

Megaman 2

Esse é de longe o melhor, na minha opinião. O vídeo mostra Megaman superando os desafios de todas as fases e acabando moralmente com os chefes nos diálogos ótimos.

Ninja Gaiden

Esse vídeo é bem menor que o do Megaman e não conta a história do jogo; ao  invés disso, eles mostram o quão incrível é o personagem principal. Também pudera, o personagem se chama Ryu, ele tinha que ser ótimo! Além disso, a música é ótima e vai ficar na sua cabeça por um bom tempo.