jump to navigation

O mal do século XXI – parte 1 janeiro 24, 2010

Posted by Carlos in Cultura Gamer, Humor, Reflexão.
Tags: , , , , , , , , , ,
1 comment so far

Um mal assola a humanidade no raiar da segunda década deste século. Especialistas relatam que a doença é silenciosa a princípio, só revelando seus sintomas em estágio avançado, quase terminal. Seu nome técnico é vicius incontrolábilus e é composta por um número de males menores.

Neste post, JoguEpense conseguiu entrevistas exclusivas com viciados e recuperados da droga FF, parte da vicius. A sigla é inteligente: quer dizer tanto Fast Forward como Final Fantasy. A primeira expressão é a droga em si: vendida por sujeitos chamados “emuladores”, ela causa aceleração artificial em jogos, aumento de FPS e diminuição dos reflexos. E FF serve também para Final Fantasy porque este jogo é o que comumente serve de entrada para novos viciados, com seus encontros aleatórios e sistema de levelup que privilegia o grinding.

A seguir, os depoimentos.


“Quando eu usei ela pela primeira vez, não pareceu nada demais. Lembro até hoje, foi com uma versão beta do Zsnes. Estava jogando Final Fantasy V, logo antes de um chefe difícil demais. Ela facilitou minha vida gamer, deixou tudo mais rápido, eu ganhava níveis com rapidez e passava pelos diálogos chatos sem demora. Derrotei o chefe em 20 minutos. Parecia bom, parecia inocente. Mas, com o tempo, as coisas ficaram sombrias.” V.C. Ado

“Acredito que o filme ‘Click’, aquele com o ator chato [Adam Sandler], mostra bem a sensação. Começou nos emuladores, mas agora é na vida. Dá uma vontade louca de acelerar as partes chatas, como as cutscenes da minha namorada ou os loading times no banheiro. Nessas horas eu me vejo apertando a tecla ‘ [botão padrão para a função FF] num teclado virtual. Eu sei, cara, que no filme ele aprende e tal, eu sei que ele errou. Eu aprendi com isso também. Mas… mas, eu quero, eu preciso dela, é mais forte do que eu.” Paulo D.V.D.

“Nos primeiros anos eu não via problema em só usá-la em emuladores de Snes ou Gba. Mas agora não consigo jogar Gears of War no meu Xbox 360 sem apertar o atalho ‘. Estou importando um computador melhor dos states para rodar meu Gears em emulador, quem sabe consigo uns 150% de velocidade.” João “Joypad” Marques

“Você não imagina o que é começar a utilizá-la em RPGs com batalhas aleatórias difíceis e agora usar no Guitar Hero é tenso estou começando a falar rápido as pessoas não acompanham meu raciocínio como faço para elas me entenderem é culpa minha por acaso se penso muito rápido acho que não deve ser só um sinal da evolução humana isso sim é verdade sou o próximo passo do ser humano Homo Sapiens Sapiens Accelerus [não conseguimos transcrever o restante, nos desculpem].” Cláudia “Aeris Ganhaborough”

“Atualmente uso com moderação, somente com Rock Band. Tudo mudou quando conheci a Bia. Ela passou por umas fases complicadas também, não, ela não usou a FF nessas fases! De qualquer jeito, nos ajudamos. Por que uso só no Rock Band? Academia é muito caro. Conquistei a Bia tocando batera no expert 200%, ela adora meus músculos.” Luan Blu “Rayban”

No próximo post do dossiê vicius, tudo sobre a droga SS.

Anúncios

WCG 2009- Os games são seriamente divertidos! setembro 27, 2009

Posted by Zé in Cultura Gamer, Reflexão.
Tags: , , , , , , , , , ,
1 comment so far

Câmeras para todos os lados; pessoas torcendo fervorosamente pelos seus favoritos; emissoras importantes, como Band, Globo, Sportv e ESPN cobrindo o evento e entrevistando todos os competidores. Não estou falando de São Paulo x Corinthians, que também aconteceu hoje, e sim da final nacional da World Cyber Games (WCG), a olimpíada dos games.

Gamers de todo o país competiram hoje em jogos como FIFA, Couter-Strike e Guitar Hero para decidir o número um que representará o Brasil na final mundial, que vai acontecer na China.

100_0592

Tá, mas isso tudo você provavelmente já deve saber, certo? O que eu notei de mais interessante no evento foi a importância e a influência que os games exercem na nossa cultura, e isso não se dá só por causa da cobertura que as emissoras fizeram, e sim porque um evento como o WCG não é restrito aos gamers que treinaram muito para competir e aos gamers que estão lá para ver boqueabertos a performance desses caras; as famílias e amigos dessas pessoas estão lá assistindo tudo.

A maior prova disso foi em uma das classificatórias do Guitar Hero: enquanto os dois competidores jogavam (e muito bem), o pai de um deles filmava tudo e gritava: “vai lá filho, concentra! Isso, continua assim!” Quando os games conseguem atingir jovens, velhos, homens e mulheres de diversas famílias,  a visão de que games são “coisa de criança” vai pro espaço, e é possível perceber que eles estão se tornando um artigo cultural importante e presente na vida das pessoas.

Ver famílias torcendo para que seu filho vença uma partida nos games era algo impensável há alguns anos atrás (meu pai nunca torceu pra que eu vencesse num jogo, buáááááááááá), mas hoje, por conta do amadurecimento da indústria e da diminuição do preconceito das pessoas com os games, isso se torna mais comum, pois mais pessoas começam a jogar e a ter contato com o mundo dos games, nem que esse contato se dê através dos jogos casuais. De qualquer forma, parabéns a todos os competidores (e suas famílias), boa sorte aos que venceram, e que venham outros WCGs!

Vídeos do WCG 2009

Final de FIFA 2009

Esse é um trecho da partida final de FIFA 2009, com a narração de Dominico Gato. Confesso que não sou fã de futebol e nem de jogos de futebol, mas assistir essa partida narrada foi sensacional!

Final de Guitar Hero

A música é Hot for teacher, do Van Halen. Depois de ver esses dois, eu desisto de jogar Guitar Hero (eu jogo bem na dificuldade normal e olhe lá). Estou vendendo o meu jogo e minha guitarra, quem tiver interesse é só me dar um toque 😀

PS: peço desculpas pela qualidade dos vídeos, mas o telão era ruim e minha câmera só atrapalhou as coisas